ÚLTIMAS

6/recent/ticker-posts

Coluna Futebol e Saúde: "Desidratação, Atividade Física e Temperatura Climática."

Foto: Pexels.com

Sabemos que o corpo humano é constituído na sua maioria por água, aprox. 60% em homens e 50% mulheres e geralmente uma pessoa necessita repor em situação normal de 2,6 litros/dia.

Assim a desidratação (falta de água no organismo em função de desequilíbrio entre a entrada e saída desta), é algo que precisa de cuidados, pois além de ser o elemento mais presente no nosso corpo, em todas as reações químicas internas ela participa. A falta de água no organismo inspira cuidados e pode ser responsável pela sensação de sede, elevação da frequência cardíaca, baixa da pressão arterial, diminuição do desempenho (presença de fadiga, respiração ofegante, câimbras e dores musculares).

Um dos aspectos que a desidratação causa no corpo é a diminuição de líquido no sangue, como menos água ele se torna mais viscoso, sobrecarregando o coração na sua função de bombear o sangue para todo o corpo humano e por isso o aumento da frequência cardíaca.

Relaciono sempre o sistema circulatório humano e um motor de carro com o óleo novo ou óleo já velho.  Se você já viu óleos de motor novos e usados sabe muito bem o quão diferentes são, enquanto que o novo é quase um líquido o óleo usado é muito mais consistente e assim fica o nosso sangue com ou sem água.  

Agora a força para transportar algo mais líquido certamente é muito menor que algo mais concentrado, imagine a sobrecarga do coração para bombear o sangue para todo o corpo. Imagine se e este órgão tão importante possui alguma anomalia, as chances de um problema sério aumentam e muito.

Lembro-me de uma época onde muitos corredores utilizavam sacos plásticos por baixo das camisetas na ilusão de perder peso. Claro que após a atividade, se essa pessoa verificar seu peso, este seria menor, porém muito mais pela perda hídrica do que pela perda de gordura.  Óbitos ocorreram desta forma, não que isso fosse à causa principal, mas esta atitude sobrecarregava o coração em função da desidratação, o que causava o mal súbito podendo ir a óbito, fato que muitas vezes poderia ter sido evitado nessa situação.

Quando realizamos uma atividade física, sobrecarregamos o organismo e elevamos a temperatura corporal e isso gera uma necessidade de regulação térmica pelo corpo, assim aumenta a eliminação hídrica e que deverá ser corrigida com uma maior hidratação.

Outro aspecto é que atividades físicas no calor e no frio apresentam grandes diferenças, no calor o ambiente possui temperaturas próximas ou maiores que o corpo e assim o organismo, através da transpiração busca regular a temperatura corporal em relação ao ambiente, eliminando muita quantidade líquida através do suor.

Já no frio torna-se mais fácil de buscar um equilíbrio entre ambiente e corpo, não ocorre grande transpiração e a perda hídrica é menor. Mas, mesmo assim o corpo elimina líquidos só que existe uma falsa sensação de conforto, não ocorre tanta sensação de sede e assim a pessoa não sente a necessidade de hidratar-se. Mas, quando sentimos sede já é um alerta que estamos desidratados.

Como trabalho com equipes competitivas e os treinos ocorrem no frio e no calor, é visível à diferença do consumo de líquidos em dias quentes e frios. Mas é bom lembrar que a desidratação acarreta vários fatores negativos para o praticante independente do ambiente quente ou frio. A grande preocupação é que em dias frios os atletas não sentem a necessidade de hidratar-se como é comum nos dias quentes, porém a necessidade de hidratação existe e é fundamental.

Uma forma de avaliar a desidratação é através da coloração da urina, quanto mais escura maior será a necessidade de reidratação. 

Para muitos o frio é um impeditivo da prática de atividades físicas, mas quem pratica exercícios em temperaturas menores precisa cuidar muito a hidratação, essa falta pode acarretar problemas de saúde e desempenho.  Treinamos pelo bem-estar e para melhorar nossos resultados, por isso, bons treinos e melhor hidratação.

Abraço!!!

* Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do FUT.SC

 

Postar um comentário

0 Comentários