ÚLTIMAS

6/recent/ticker-posts

Coluna Futebol e Saúde: "Metabolismo desacelera significativamente com a idade! Será?"


Estudando sobre treinamento, achei um artigo que realmente me chamou muito a atenção. Em muitos artigos que escrevo, falo da importância da prática esportiva para a saúde, e esse material no mínimo levanta muitos questionamentos.

Primero, podemos entender metabolismo como um conjunto de reações químicas que ocorrem num organismo vivo, criando transformações necessárias para o funcionamento e manutenção das necessidades energéticas e estruturais desse organismo. E isso gasta energia.

Metabolismo basal, ou taxa metabólica basal, é o mínimo de energia que o corpo humano (organismo) gasta para manter-se em repouso (batimentos cardíacos, respiração, manutenção da temperatura, etc.). Sempre ouvi falar em conversas indiretas, que o metabolismo vai desacelerando com o passar do tempo. Frases como:

“Quando eu era novo comia de tudo e não engordava, agora até tomando água já engordo”.

“Tenho metabolismo lento, por isso não consigo emagrecer”.

Realmente é comum observar a diminuição no gasto energético das pessoas com o envelhecimento, bem como uma diferença entre o gasto energético de homens e mulheres (gasto menor).

Mas esse estudo que analisou 6421 pessoas, de idades que variam de 8 dias até 95 anos, concluiu que pessoas com composição corporal semelhantes (homens ou mulheres/ jovens ou idosos) possuem gasto energético metabólico bem semelhantes, ou seja, a taxa metabólica basal. As exceções encontradas foram apenas na fase de crescimento (0 a 20 anos), onde é mais acelerado, e acima dos 60 anos, mas nesta faixa etária com uma desaceleração muito pequena (-0,7% ao ano).

Então, podemos dizer que tanto homens e mulheres, como jovens e idosos com massa muscular e percentuais de gordura semelhantes, terão resultados semelhantes. Mas não é tão fácil de conseguir isso. Primeiro porque o corpo masculino e feminino possuem diferenças estruturais, e no quesito massa muscular, a mulher, em condições normais, possui menos e mais gordura corporal. Bem como no processo de envelhecimento, o corpo perde percentuais de massa muscular com o passar dos anos.

Ai entra a atividade física, principalmente atividades como musculação onde o treinamento possibilita grandes ganhos de massa muscular e assim podemos aproximar esses grupos tão heterogêneos. A conta é simples: mais massa muscular, maior a taxa metabólica basal e com isso o organismo necessita de mais calorias para manter-se (aumentando o gasto) e o que antes era acumulado com gordura, passa a ser utilizado na manutenção corporal. 

A principal questão não é aproximar estes grupos, mas sim demonstrar que podemos trabalhar nosso organismo para termos um metabolismo semelhante ao de antigamente ou até mesmo melhor que antes e isso independente do sexo ou da faixa etária em questão.

Mas hoje eu treino mais que quando jovem e não consigo emagrecer. Isso pode ocorrer por alguns fatores, mesmo treinando ter menos massa muscular que antes, ter um estilo de vida sedentário no dia todo e pensar que pouco tempo de treino solucionará todos os problemas gerados durante a vida, estratégias de treinos incorretas (seguir treinamento infundados ou inadequados para a pessoa) e ainda a compensação energética, ou seja, gasta calorias treinando, mas consumir muito mais que gastou e por isso uma reeducação alimentar sempre é fundamental. 

Então, podemos dizer que aceitar que o metabolismo desacelera é uma coisa cômoda de falar e que temos formas efetivas para acelerar o metabolismo e com isso melhorar a saúde e a qualidade de vida. Também que o processo de envelhecimento, apesar de ser constante, pode ser combatido e atenuado como atividades físicas, independente da idade que se pratique, com boa orientação sempre se consegue melhorar.

Abraço!!! 

* Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do FUT.SC

Postar um comentário

0 Comentários