ÚLTIMAS

6/recent/ticker-posts

Coluna Futebol e Saúde: "Em quanto tempo terei resultados com a prática da musculação?"

Foto: Victor Freitas, pexels.com

Independente do que se busca com a prática da musculação, precisamos saber que os bons resultados dependem de alguns fatores importantes e que vão além do treinamento, como a recuperação (repouso e sono) e alimentação. Ou seja, treinar bem, descansar entre os treinos, ter um sono de qualidade e ainda ter uma alimentação equilibrada. Desequilíbrios ou alterações nestes fatores certamente interferirão negativamente nos resultados desejados.

Outro aspecto importante é que os resultados são individuais, o organismo responde diferentemente aos estímulos. Um mesmo treino pode ser efetivo para uma pessoa, ineficaz para outra e até prejudicial para uma terceira. O treino não será igual para uma pessoa que sempre foi sedentária comparando com outra que está sedentária, mas já praticou atividade física, ou entre alguém com mais massa muscular comparada com outra pessoa com musculatura menos desenvolvida. Afinal, cada pessoa é diferente nas suas vivencias corporais e o treino responde também de forma bem individual.

Estudos sugerem efeitos mais significativos no ganho de massa muscular, emagrecimento e melhoras nos aspectos clínicos num período de 8 a 16 semanas. Algumas pessoas falam em grandes mudanças com 6 meses de treinamento. Mas tudo isso? Para um melhor entendimento, preciso falar dos efeitos agudos que ocorrem logo após o treino (sudorese, aumento da frequência cardíaca, inchaço muscular, etc.) e os efeitos crônicos do treinamento (aumento da massa muscular, diminuição da pressão arterial, etc.).  

Cada sessão de treino trará efeitos  agudos que vão criando pequenas melhoras no organismo e este vai se adaptando aos estímulos gerando com o tempo efeitos mais significativos e duradouros que são os efeitos crônicos (estruturais). Assim aumentando a massa muscular, aumento da força, melhora do sistema imunológico, questões hormonais, entre outros.

Podemos exemplificar essas mudanças entre efeitos agudos e crônicos no decorrer dos meses da seguinte forma: no 1º mês de treinamento, o corpo vai se adaptando aos estímulos (efeitos agudos das sessões de treino); no 2º mês, aumenta a força, resistência e flexibilidade (aparecimento mais significativo dos efeitos crônicos); no 3º mês, aumenta a resposta hormonal ao exercício e o metabolismo começa a acelerar; no 4º mês, melhora a queima de gordura; no 5º mês, pelos resultados obtidos e por visualizar as mudanças conquistadas, as chances de desistência diminui e no 6º mês, os músculos já apresentam um aumento significativo (hipertrofia).

Nesse processo do primeiro dia de academia até o sexto mês, o trabalho diário é de estimular o organismo para se adaptar aos efeitos agudos resultando nos efeitos crônicos. Simplificando, os efeitos agudos criam os efeitos crônicos iniciais que vão gerando a base para outros efeitos crônicos em um efeito cascata, onde ocorrerão várias mudanças benéficas no organismo. 

O resultado significativo do sexto mês pode acontecer no quarto ou quinto, mas ele começa a surgir no primeiro dia de treinamento. No primeiro mês poderão aparecer efeitos positivos na massa muscular e diminuição de gordura, mas se não tiver sequência, esses ganhos logo se perdem. Com mais tempo de treino, além de duradouras elas também geram efeitos positivos em todo o organismo e que, se sustentam por mais tempo no caso de interrupção do treinamento.

Concluindo: os resultados na musculação aparecem todos os dias em que se treina e a cada treino realizado é uma base para o resultado desejado, não existe mágica e o imediatismo é contrário aos objetivos. Mas precisa de um tempo de prática para que essas conquistas sejam sólidas e duradouras. A continuidade do treinamento é que trará os grandes benefícios do treinamento na musculação.

Abraço!!!!

* Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do FUT.SC

Postar um comentário

0 Comentários